Aviso

O conteúdo presente neste blog, não pretende de forma alguma substituir o tratamento médico. É meramente de consulta e informação. Se lhe surgir algum sintoma que considere relevante, consulte imediatamente o médico.
Caso tenha alguma dúvida, contacte-nos. Responderemos com a maior brevidade possível.

Saúde da mulher nas suas várias idades






SAÚDE DA MULHER
nas suas várias idades










As mulheres vivem mais anos (cerca de dez anos mais) do que os homens. Com efeito, uma constatação válida em todas as latitudes do mundo. Esta diferença de esperança de vida será, segundo os cientistas, devida às hormonas. A mortalidade masculina estará ligada à toxicidade da testosterona, a hormona masculina responsável pela agressividade, pela competitividade e pela libido.
Com efeito uma taxa elevada de testosterona no sangue causa um aumento de LDL, ou “mau” colesterol, diminui o nível de HDL, o colesterol “bom”, expondo ainda o homem ao risco de AVC e doenças cardíacas. No entanto, se por um lado é verdade que a mulher vive mais tempo, é também verdade que ela está sujeita a doenças crónicas, tais como a osteoporose, ou a doenças auto-imunes (esclerose em placas, lúpus eritematoso, etc.). Actualmente, a diferença  entre as mortalidades masculina e feminina tende a equilibrar-se negativamente, uma vez que as mulheres são mais vulneráveis às doenças tipicamente masculinas. É, por isso, importante que a mulher vigie o seu estado de saúde em todas as etapas da sua vida. E isso desde a adolescência, sensibilizando a jovem  para as regras fundamentais de uma boa alimentação, de uma higiene sã e dos benefícios do exercício físico. Conhecimentos que, postos em prática, lhe permitirão acrescentar “anos à vida e vida aos anos”!

 Da adolescência aos 29 anos:
Quando somos jovens temos tendência a considerar a saúde como um privilégio adquirido de uma vez por todas e então tendemos a prestar-lhe pouca atenção. Por esse motivo, a adolescência e o tempo de criança são os melhores períodos para enraizar as bases de uma vida sã, ao abrigo de doenças graves.
A prevenção primária, baseada no estilo de vida, nasce na mesa, graças a uma alimentação que – como nós sublinhamos frequentemente na nossa revista e segundo as recomendações provenientes de organismos como a OMS (Organiza-
ção Mundial de Saúde) – privilegia vegetais, frutas, legumes, cereais e leguminosas. A soja, em especial, pelo seu conteúdo de flavonóides, ocupa um lugar de destaque na prevenção das perturbações da menopausa. Regra geral, comer sensatamente permite evitar problemas de osteoporose, cancros, esterilidade, ...Uma breve revisão das consultas e exames aconselhados durante este período da vida:
No ginecologista. Desde o início da actividade sexual, mas em qualquer caso a partir dos 18 anos, o esfregaço vaginal torna-se indispensável. Procura-se, em primeiro lugar, sinais de irritação nos órgãos genitais externos e nas paredes da vagina. Em seguida colhem-se algumas células do colo do útero e do canal cervical para despistar a presença de anomalias ou de infecções causadas, por exemplo, pelo vírus papiloma (uma doença sexualmente transmissível que pode degenerar em cancro do colo do útero). Depois desta colheita, o ginecologista examina os ovários, o útero e as trompas. Ele pode, também, procurar a presença de eventuais problemas da parede recto-vaginal fazendo um exame rectal. A frequência ideal seria uma consulta ginecológica anual, e um esfregaço de três em três anos.
Exame da mama. É aconselhável efectuar a auto-palpação mensalmente, no fim do período menstrual e, a partir dos 20 anos, deve ir ao ginecologista de três em três anos para um exame mais profundo. A manifestação de certos sinais (secreção do mamilo, engrossamento ou induração) devem levar a consultar o médico sem demora. A existência de antecedentes familiares de cancro deste tipo, deve conduzir sistematicamente a uma vigilância exercida por exames mais frequentes.
Tensão arterial. Trata-se de um simples controlo que o médico fará regularmente. A tensão não deve ultrapassar o máximo de 14 e o mínimo de 9. Em caso de excesso de peso ou de antecedentes familiares de hipertensão arterial, deve ser vigiada uma vez por ano.
Colesterol. Uma taxa de colesterol elevada (principalmente do tipo LDL) aumenta o risco de doenças cardiovasculares. É, por isso, conveniente planear já os controlos: depois dos 20 anos, uma análise ao colesterol cada 5 anos. Se as taxas são superiores ao normal, diminuir as gorduras animais e praticar mais exercício físico.
Pele. Controlar os sinais existentes no corpo. Se eles mudam de cor ou de forma, deve dizê-lo ao médico e marcar uma consulta dermatológica. Isso é igualmente válido para outras anomalias cutâneas. Entre os 20 e os 40 anos, é recomendável fazer um controlo dermatológico para despistagem de um eventual melanoma (cancro da pele). A aparição de formas acneicas graves deve ser tratada logo que possível para prevenir cicatrizes.
Dentes. Deve ser feita uma visita anual de controlo ao dentista.

Entre os 30 e os 49 anos:
É geralmente durante este período que as mulheres planeiam a gravidez, entram no mundo do trabalho e vêem as suas responsabilidades e o stress aumentar. Produzem-se importantes mudanças que provocam transformações no organismo feminino. Trata-se, também, de uma etapa da vida na qual certas doenças tais como as patologias cardiovasculares e os cancros estão à espreita. É, por esse motivo, indispensável adoptar um modo de vida estável e procurar os sinais precursores de uma eventual doença fazendo controlos regulares.
No ginecologista. Uma visita por ano e um esfregaço de três em três anos. Numerosos ginecologistas aconselham, entretanto, a aumentar a frequência destes exames.
Mama. O diagnóstico precoce é a melhor maneira de vencer o cancro da mama. Nem todos os especialistas estão de acordo quanto à frequência da mamografia (radiografia da mama) que pode detectar lesões cancerosas ou qualquer outra anomalia do tecido mamário. O Instituto Nacional do Cancro (EUA) aconselha as mulheres com mais de 40 anos a efectuar uma mamografia uma vez por ano ou de dois em dois anos. A Sociedade Americana do Cancro sustenta, por seu lado, a necessidade de efectuar este exame anualmente e a Associação Médica Americana aconselha uma mamografia anual unicamente a mulheres com mais de 50 anos. O médico tratará de avaliar a necessidade caso a caso entre os 40 e os 50 anos.
Pele. Depois dos 40 anos, uma visita ao dermatologista uma vez por ano, permite despistar os cancros de pele ou os sinais que apresentem risco.
Exames pré-natais. Uma vez confirmada a gravidez, é conveniente marcar uma consulta ao ginecologista. Aquando da primeira visita, o especialista toma nota de todos os elementos de saúde da mulher e das doenças que ela teve. Ele faz um exame ginecológico completo, incluindo o esfregaço. Mede a tensão arterial e prescreve à paciente análises de sangue, para procurar, além dos exames de rotina, o grupo sanguíneo e a presença de anticorpos contra a hepatite B, a rubéola, a toxoplasmose e o HIV. Aconselhamos igualmente testes para despistar doenças sexualmente transmissíveis. As consultas sucessivas mensais serão breves se não existirem complicações. A legislação prevê três ecografias, uma antes das 12 semanas de amenorreia (para uma datação precisa da gravidez), uma cerca das 20 semanas (para a despistagem de eventuais anomalias) e uma às 36 semanas (para controlar o crescimento e a posição do feto). A presença de diabetes ou de hipertensão representam um factor de risco e necessita, por consequência, de exames especiais.
Fibromas uterinos. Menstruações abundantes e prolongadas, dores pélvicas e necessidade frequente de urinar, são sintomas reveladores da presença de fibromas uterinos. Estas formações benignas devem ser vigiadas; não haverá intervenção a não ser que elas causem problemas realmente graves.
Exame rectal. Após os 40 anos, é aconselhável associar o toque rectal ao exame ginecológico para despistar eventuais anomalias da parede recto-vaginal.
Colesterol. É possível que a colesterolémia aumente após os 40 anos. É conveniente fazer um controlo anual do colesterol total bem como do “mau” colesterol (LDL), responsável por doenças cardiovasculares.
 Entre os 50 e os 69 anos:
Os filhos cresceram e deixaram o lar paterno, a reforma aproxima-se, temos mais tempo para nos ocuparmos connosco próprias. Infelizmente, este período “mais tranquilo” da existência pode ser mal vivido: frequentemente o sentimento de inutilidade e depressão acompanham as modificações fisiológicas naturais (descida das taxas hormonais e outros sintomas da menopausa) e por vezes amplificam estes fenómenos físicos. Para atenuar os efeitos negativos desta idade e desfrutar plenamente das suas vantagens, é suficiente seguir algumas regras, como manter um exercício físico, fazer refeições muito ligeiras à noite ou consumir folatos, nutrientes presentes nos legumes de folhas verdes, nos ovos, nos cereais e nas leveduras, que reduzem o risco de doenças coronárias. Além disso, a vigilância médica continua a ser importante pois neste período da vida o risco de cancro da mama ou do endométrio é muito elevado.
No ginecologista. Os controlos anuais e os esfregaços de dois em dois ou de três em três anos são suficientes. Em certos casos, porém, poderá ser aconselhável o aumento das consultas.
Cancro recto-cólico. Do qual se verificou um aumento nas mulheres após os 50 anos. Na Europa, ele ocupa actualmente o segundo lugar na população feminina e é mais frequente nos países onde a alimentação é rica em gorduras e pobre em alimentos de origem vegetal. A componente genética é certa, por consequência as pessoas cujos progenitores, ou apenas um dos progenitores, tiveram um cancro do cólon, devem submeter-se uma vez por ano a um teste para detectar a presença de sangue nas fezes; será também efectuada uma recto--coloscopia de cinco em cinco anos para procurar eventuais formações pré-cancerosas.
Osteoporose.  50% das fracturas que ocorrem em mulheres com mais de 50 anos devem-se à osteoporose. Para determinar o estado ósseo, será efectuada, por computador, uma medição dos níveis de minerais nos ossos, anualmente ou de dois em dois anos, principalmente ao nível dos pulsos e das vértebras. O que deve ser feito se os valores são inferiores ao normal? No campo alimentar, uma ingestão suficiente de cálcio, uma actividade física, uma terapia hormonal de substituição ou outros medicamentos que actuem sobre o metabolismo do cálcio.
Colesterol. A taxa de colesterol LDL, aquele que aumenta o risco de arteriosclerose (obstrução das artérias por depósitos lipídicos) sobe.  Outras patologias como as doenças coronárias ou o risco de AVC, são derivadas da arteriosclerose. O regime alimentar é o remédio por excelência. Existem, para os casos mais graves, medicamentos que conseguem fazer baixar a taxa de colesterol no sangue.
Mama. Primeiramente, aconselhamos a fazer uma mamografia uma ou duas vezes por ano. Uma biopsia por aspiração pode dar um resultado mais fiável e definitivo.
Coração. As doenças cardiovasculares devem ser as mais temidas. O desaparecimento do ciclo menstrual provoca, com efeito, a perda da protecção mantida pelos estrogéneos. É, então, preferível associar ao controlo da tensão arterial e do colesterol, um electrocardiograma para revelar eventuais disfunções cardíacas. Deve ser evitada uma subida de peso para não sobrecarregar o coração.
Visão. Certas patologias como o glaucoma e a catarata não se manifestam senão quando já atingiram um estado avançado. O glaucoma, devido a uma pressão muito elevada de líquidos no interior do olho, é responsável por 15% dos casos de cegueira dos adultos e necessita de uma terapia contínua. A catarata, ou seja, a opacificação do cristalino, pode aparecer após os 50 anos; esta patologia é hoje em dia facilmente tratável através de uma intervenção de substituição do cristalino, e é efectuada com anestesia local.
É aconselhável, consequentemente, uma ida ao oftalmologista de dois em dois anos; e depois deverá ir a uma consulta anualmente. O exame do fundo do olho permite despistar eventuais patologias da retina, causadas frequentemente por hipertensão, por diabetes e por arteriosclerose.
Audição. Durante este período, assiste-se a uma diminuição inevitável da sensibilidade auditiva. Deve consultar-se um especialista em caso de problemas graves. Já se encontram no comércio, hoje em dia, aparelhos auditivos sofisticados e praticamente invisíveis que ajudam a ultrapassar o problema.

Após os 70 anos:
As pessoas com mais de 70 anos representam 13% da população dos países industrializados. Elas chegaram a essa idade após terem atravessado e ultrapassado épocas particularmente difíceis (doenças infecciosas sem antibióticos, guerras, etc.). Felizmente, a medicina fez, entretanto, grandes progressos que permitem envelhecer com mais serenidade. Manter uma boa higiene mental, criar interesses, cultivar hobbis, rodear-se dos familiares e, porque não, a dimensão espiritual, são elementos muito importantes que aumentam a capacidade de enfrentar estas doenças devidas à idade e as inevitáveis dificuldades físicas também a ela inerentes.
No ginecologista. Metade das mulheres nas quais é diagnosticado um cancro dos ovários tem mais de 65 anos; o único meio de descobrir a tempo esta doença, é a consulta ginecológica anual. Ao contrário do que se pensa, a idade não incide sobre o risco de cancro do colo do útero.
Cancro recto-cólico. A redução da actividade física e a idade avançada são os factores favoráveis à aparição destes cancros. Um diagnóstico precoce não pode ser estabelecido a não ser com controlos regulares. O exame principal a efectuar é a procura de sangue nas fezes. Frequentemente é também necessário recorrer a outros exames para uma verificação mais aprofundada: exploração rectal, sigmoidoscopia e coloscopia (observação das paredes internas do cólon sigmoideu e do cólon com um dispositivo com fibras ópticas). Este cancro manifesta-se por sintomas como a mudança dos hábitos intestinais durante vários dias, sangue nas fezes e, em algumas pacientes, dores abdominais e gástricas.
Osteoporose. Se ainda não foi efectuado, o exame da densidade da massa óssea deve ser feito sem falta nesta altura. Nesta idade, existe provavelmente um certo grau de osteoporose, mais elevado nas fumadoras e em caso de carências alimentares. Medicamentos e exercício físico ajudam notavelmente a afrouxar a perda da massa óssea.
Mama. Entre os 70 e os 80 anos, uma mulher em cada 14 é afectada por cancro da mama, e cerca dos 80 anos, a taxa é de uma em cada 10. A mamografia deve ser feita anualmente ou de dois em dois anos.
Coração. Neste período da vida, as doenças cardiovasculares representam o principal perigo. Por isso, a tensão arterial e o colesterol devem ser controlados. Em caso de suspeita de doença cardíaca, os exames a efectuar são: o electrocardiograma de esforço (a actividade cardíaca é registada durante um período de repouso e durante um período de exercício físico), a angiografia coronária (uma radiografia que mede o calibre das artérias coronárias), o scanner ou a ressonância magnética.
Visão. Apesar de ser normal que a visão diminua, o processo não deve ser suportado passivamente. Certos problemas podem ser prevenidos. O oftalmologista deve ser consultado de dois em dois anos, ou todos os anos em caso de diabetes. Será verificada a existência de glaucoma, cataratas ou degeneração macular (lesão da parte central da retina). Para evitar fatigar os olhos, é por vezes suficiente iluminar adequadamente os locais em que se vive.
Audição. Um terço das pessoas entre os 65 e os 74 anos sofrem de surdez, em vários graus. Para avaliar as situações mais graves, verificar se há dificuldades em compreender as palavras, se os sons mais agudos são mal percebidos ou se não conseguimos distinguir uma pessoa que fala no meio de outros barulhos de fundo. Em seguida virá o exame auditivo. Em caso de insuficiência auditiva, existem próteses adaptadas a certos tipos de surdez. Por vezes é necessário experimentar vários modelos antes de encontrar aquele que melhor se adapta às exigências de cada pessoa.
Pele. Um controlo anual, feito pelo dermatologista, será utilizado para despistar a tempo, eventuais cancros da pele. Após os 70 anos, a pele tem tendência a tornar-se mais seca e a irritar-se mais facilmente, é ainda mais sensível aos raios solares. A regra principal é proteger a pele com a ajuda de cremes apropriados.


Ennio Battista

Extraído da revista Saúde e Lar
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

2 comentários:

  1. Excelente post! A Saúde da Mulher tem que ser levada a serio e não a idades para começar a se cuidar, todos devem procurar melhorar os cuidados com sua saúde para que não haja problemas futuros.

    ResponderEliminar
  2. De facto, a saúde não tem idade. Devemos ser responsáveis pela nossa saúde todos os dias. E devemos também ser responsáveis pela saúde dos outros, quando as nossas capacidades já são diminuídas. Tesouros como este (saúde) são únicos.

    ResponderEliminar