Aviso

O conteúdo presente neste blog, não pretende de forma alguma substituir o tratamento médico. É meramente de consulta e informação. Se lhe surgir algum sintoma que considere relevante, consulte imediatamente o médico.
Caso tenha alguma dúvida, contacte-nos. Responderemos com a maior brevidade possível.

Fibromialgia






FIBROMIALGIA
Comer para viver (sem dor)








Optei por redigir este texto com o o intuito de transmitir um conhecimento sobre alimentação, de acordo com uma perspectiva não médica, como usualmente se está habituado a ler/ouvir. 

Caso surjam dúvidas, contactem através do email pelaminhasaude@gmail.com, colocando no assunto: fibromialgia. Isto para que a resposta seja mais rápida. 

Saliento também que, por motivos legais, as informações aqui presentes não substituem o diagnóstico e tratamento médico.

Os sintomas mais evidentes da fibromialgia são, cansaço, dores generalizadas, sensibilidade e rigidez muscular. Na perspectiva da Medicina Tradicional Chinesa (MTC), esta doença encaixa-se numa síndrome, chamada de síndrome bi, ou traduzido para português, síndrome de obstrução dolorosa. 

A dor, na visão da MTC, é o resultado da falha de circulação da “energia” (que em chinês se diz tchi e escreve-se na linguagem ocidental ,Qi) e do Sangue. O que levar ao bloqueio dessas substâncias, leva à dor.
O Qi circula por canais que percorrem e ligam todo o organismo, juntamente com o Sangue. Numa visão ocidental, Qi e Sangue podem ser comparados ao sistema nervoso, sistema linfático, e o sangue propriamente dito, mas esta visão é muito limitativa do verdadeiro conceito de Qi e Sangue da MTC. Para este texto não é necessário aprofundar tanto.

Voltando à perspectiva da MTC, a fibromialgia está ligada à disfunção dos seguintes órgãos, Fígado e Baço, mas outros também participam, como Rim e Coração. 

O Fígado, tem a função de controlar os tendões e o aspecto contráctil dos mesmos, assim como ligamentos e articulações. Está associado ao sistema nervoso também. O equilíbrio emocional pertence a este órgão. 
Um ditado popular português concorda com esta ideia, quando alguém é constantemente mal humorado, diz-se que “tem maus fígados”. O Fígado, quando sujeito a emoções como a raiva, ressentimentos, frustração, injustiças, tende a bloquear e a causar sintomas vários e diferentes, e no caso da fibromialgia, a rigidez muscular é um deles. Depressão, colite, sintomas pré-menstruais, alguns tipos de insónias, são mais alguns sintomas deste bloqueio.

Quanto ao Baço, é responsável pela produção de energia, de sangue e de controlar alguns processos inflamatórios e infecciosos. Por norma, este órgão, na nossa sociedade, tem tendência a estar debilitado, devido, principalmente à alimentação. 
Emocionalmente este órgão é afectado pela melancolia, o pensamento obsessivo (cisma), e estudo excessivo. A alimentação é o aspecto mais frequente que lesa este órgão, uma vez que participa activamente na digestão. 
Emagrecimento ou aumento de peso mesmo comendo pouco, tendência a fezes moles, alterações intestinais, cansaço, são os sintomas mais comuns quando há alterações neste órgão.

Feita uma explicação muito resumida da visão da MTC, pode-se perceber por aqui que o aspecto emocional e os hábitos alimentares têm grande peso no desenvolvimento da doença, mas também na atenuação dos sintomas.

O sistema digestivo, é sem dúvida dos sistemas mais importantes do nosso organismo. Realizando um correcto funcionamento, é uma garantia de que todo o resto será suprido com os melhores nutrientes. Alguma alteração na digestão, a médio, longo prazo levará ao défice de substâncias nutritivas importantes, e isso trará, inevitavelmente a doença. Na MTC o Estômago e o Baço são dois órgãos considerados como a origem da energia corporal, e como se compreende, um mau funcionamento levará uma quebra na energia vital. Toda a funcionalidade do organismo depende de uma boa digestão e absorção de nutrientes. Assim, tratar bem deles é um princípio para uma boa saúde, ou recuperação de uma enfermidade.

Os hábitos alimentares dos ocidentais são muito desregrados e carregados de substâncias que o nosso organismo não reconhece,  e que interferem no bom funcionamento das hormonas e conexões nervosas. Alguns aditivos que se colocam em alguns “alimentos” provocam nervosismo, por exemplo. Outros provocam agitação nas crianças, tornando-as hiperactivas. A quantidade de açúcar e gordura, com o intuito de criar a viciação do consumidor, são armas letais para quem absorve esses pseudo alimentos. Assim, para quem quer manter uma saúde mais estável, ou para quem pretende melhorá-la, deve ter muito, mas muito cuidado com os estilos alimentares do seu dia a dia. Afinal, o nosso organismo constitui-se por aquilo que comemos.

Do meu ponto de vista, a constante ingestão de alimentos, de três em três horas, não é saudável. Porquê? Porque esse tipo de dieta produz uma contínua descarga de insulina no sangue, com vista a reduzir o açúcar circulante no sangue. Ora, isto leva a crer que o pâncreas estará em incessante trabalho, levando-o ao desgaste físico, e num futuro à paragem de formação de insulina, surgindo a diabetes. A falta de descanso deste órgão levará também a gerar um processo inflamatório constante, que como se sabe, inflamação crónica não é saudável. Mas não é só o pâncreas o afectado. Estômago, fígado, vesícula biliar, intestinos, rins, coração, cérebro, sistema nervoso (este ultimo bastante afectado) não descansam o necessário para se recomporem de um intenso trabalho. 
Imagine que você trabalha horas seguidas sem descanso, como ficaria após cinco anos seguindo esta rotina? Bem não era de certeza. O seu organismo estaria completamente exausto, esgotado. Assim, os órgãos, que fazem parte integrante e inseparável do seu corpo, também se cansam. É necessário dar-lhes descanso e tempo de recuperação, para que as suas forças se renovem.

Desta forma, é ilustrada uma sugestão de novos hábitos alimentares. Tenha atenção que, se esta alteração não se ajustar à sua condição de saúde, não a deve seguir. Pode fazer as adaptações que considera relevantes. Algumas das informações citadas a seguir poderão lhe fazer confusão por serem diferentes das ideias que vigoram no mundo médico-científico, mas não se preocupe, medite sobre o que vai ler e veja o que pode mudar.

Começo por citar os alimentos que devem ser removidos, eliminados ou reduzidos gradualmente dos seus hábitos.

1-      Café
2-      Bebidas alcoólicas
3-      Refrigerantes
4-      Açúcar refinado
5-      Farinhas refinadas
6-      Pão branco
7-      Sal fino (sal de mesa)
8-      Vinagre
9-      Leite e seus derivados
10-   Manteiga e margarinas
11-  Charcutaria
12 - Gelatina
            - Chocolate, bolachas, bolos, rebuçados, gomas, gelados 


Por norma, estes “alimentos” são usados quase diariamente, e isso produz um efeito cumulativo que ao longo do tempo produzem alterações em vários pontos do organismo.

Uma questão que surge é a seguinte: é possível substituir estes alimentos? Sim, é possível. Pela mesma ordem, os produtos acima serão substituídos por:

1-Cevada
2-Água
3-Sumos naturais feitos e consumidos no momento
4-Açúcar mascavado, mel, stévia
5-Farinhas integrais
6-Pão intergral ou de mistura
7-Sal marinho integral
8-Limão e especiarias
9-Bebidas vegetais, soja, aveia, amêndoa, côco.
10-Azeite, óleo de linhaça, óleo de côco
11- “Charcutaria” vegetal
12- Gelatina vegetal (agár-agár)

A retirada destes alimentos, por si só podem produzir melhorias no estado geral. Nalguns serão mais rápidas, noutras pessoas demorarão um pouco mais.

Lembre-se de que, por vários anos, praticou um tipo de alimentação à qual o seu organismo se adaptou, agora, com esta mudança, terá que se reajustar novamente, e isso não acontece instantaneamente.

A seguir será descrito um sistema alimentar. Este método contempla apenas três refeições diárias. O uso deste tipo de alimentação é usado por várias pessoas, e também em algumas clínicas de medicina natural. 
Inicialmente soará um pouco estranho, mas esta dieta visa o descanso de todos os órgãos digestivos, mas também de outros sistemas do corpo humano que são solicitados para manter uma correta digestão, nomeadamente o coração, rins, cérebro e sistema nervoso.  É importante compreender que comer constantemente provoca um desgaste físico enorme, e isso, com o passar dos tempos pode desenvolver uma tendência à baixa energia mental e orgânica. Assim, comer a quantidade correta, na hora certa e usando os alimentos mais saudáveis, será com certeza um meio para dar ao seu corpo força e vitalidade.

Ao enveredar por este novo sistema alimentar,  poderá sentir que é difícil, mas a boa notícia é que não precisa de ser radical. Deve mudar passo a passo. Comece pelo pequeno almoço, e quando esse novo hábito estiver enraizado passe para o jantar, ou vice versa. Assim, não sentirá a pressão e a culpa de não conseguir mudar tudo de uma vez. Sentirá antes a vitória e o sucesso de que realmente consegue. Isto, aliado à sua vontade em querer mudar, fará certamente a diferença.

Como referido anteriormente, este sistema é composto de três refeições diárias, pequeno almoço, almoço e jantar. O ideal é que, entre as refeições, haja uma pausa de pelo menos cinco horas, para que os órgãos possam descansar, sendo que, beber água é a única coisa permitida ingerir. Mas para aguentar este tempo sem comer, pois de início o seu corpo irá reclamar, as refeições devem ser bem compostas e com substância suficiente para aguentar um dia, escolhendo alimentos que nutram e saciem.

Às refeições do almoço e jantar, o uso de bebidas durante as mesmas, não é recomendado. Beber às refeições atrapalha todo o processo digestivo, dificultando a decomposição dos alimentos e sua correcta absorção. Beber, apenas fora das refeições, e como dito anteriormente, apenas água. Tudo o que vai para além desse líquido deve ser banido da sua despensa. Se deseja uma bebida adocicada, use sumos naturais feitos na hora ou água vitaminada, que nada mais é que, um jarro de água com frutas cortadas em pedaços e deixar macerar no frigorífico durante uma noite. Após isto a bebida está pronta para ser consumida, de preferência à temperatura ambiente, nunca gelada.

As refeições intercalares, ou lanches entre as refeições, não são benéficas, tirando raros casos, mas mesmo assim são evitáveis. Estes lanches quando tomados, interrompem o descanso dos órgãos, deixando-os cansados e sem tempo para recuperarem para uma refeição mais pesada.

Para as demais refeições, dê preferência a produtos de origem vegetal, como legumes, frutas, frutos secos e sementes. Estes alimentos são riquíssimos em substâncias nutrientes e menos vulneráveis à poluição. Conferem ao nosso corpo factores que incrementam a saúde e diminuem o risco de contrair doenças.

Reduza substancialmente os produtos animais, como carne, leite, peixe, ovos e mariscos.  Quanto à carne, a melhor opção serão as famosas carnes brancas e dentro destas, opte pelas caseiras. Dentro da carne vermelha, a carne de vaca será preferível, mas lembre-se de que hoje em dia esses animais são maltratados e injectados com medicamentos que passam para si. 
Fuja e proíba dentro da sua casa o uso de carne de porco e coelho. 
Dentro dos peixes, o melhor são os peixes que possuem escamas, isto porque, essa parte do corpo do animal protege-os da poluição do mar e assim menos porcaria entra no seu corpo. 
O marisco deve ser todo evitado. Estes animais são como filtros do mar, limpando-o de toda a sujidade que existe, desde cadáveres, dejectos, combustíveis, etc.

A forma como cozinha tem também uma palavra a dizer para o ganho ou perda da saúde. Tradicionalmente, é hábito ouvir que, grelhados e cozidos são mais saudáveis. Os cozidos são aceitáveis, apesar de perderem algumas substâncias durante o processo. Mas quanto aos grelhados, são uma forma de cozinhar bastante agressiva e perigosa para todos os organismos. É bem conhecido pela ciência que estes cozinhados contribuem grandemente para o surgimento do cancro do estômago. Mas vai para além desta doença, os efeitos dos grelhados na saúde. Os alimentos quando sujeitos a altas temperaturas, principalmente acima da temperatura de ebulição da água (100 Cº), todos os seus elementos químicos, desde gorduras a proteínas, passando pelos minerais e vitaminas, são completamente alterados ou destruídos. Ora, essa transformação não trará vantagens para o organismo que os ingere, pelo contrário, para além de não ingerir substâncias nutritivas, ingere compostos recém formados provocados pela acção intensa do calor. Desta forma, tudo o que é sujeito a altas temperaturas deve ser evitado, ou reduzido drasticamente o seu consumo. Por isso, grelhados, assados e fritos, não devem fazer parte de um sistema dietético para quem quer ser saudável. 
(veja também: 
http://pelaminhasaude.blogspot.pt/2013/12/carne-vermelha-os-seus-maleficios.html e 

http://pelaminhasaude.blogspot.pt/2016/03/serao-os-grelhados-e-assados-parte-de.html )

Comer demasiadas refeições cruas, hábito muito generalizado, apoiada na ideia de ser mais saudável, também não é o melhor. Saladas, alimentos cozinhados comidos a frio, como sandes, devem ser evitados. Procure comer as saladas com refeições cozinhadas, como acompanhamento. Bebidas geladas, incluindo a água, é algo a evitar.

Tendo em mente tudo o que foi dito, em seguida será descrito o exemplo de sistema alimentar das três refeições diárias. 
Os horários são apenas sugestão, sendo que devem ser adaptados à sua condição. Apenas realço que a hora de dormir, sempre que possível, deve ser sempre antes das 22:30.



Modelo de horário para dieta de três refeições


08h00 – pequeno almoço
13h – almoço
18h ou 19h – jantar

“Pequeno almoço de Rei, almoço de Príncipe, jantar de Pobre.”


Lista de alimentos a consumir no pequeno almoço

Flocos de aveia, como sugestão, papas de aveia (como base)
Sementes de linhaça (trituradas no momento)
Nozes, amêndoas ou avelãs (3 a 5 porções)
Bagas de goji
Fruta ( 1 a 2 peças de fruta, principalmente da época)
Bebida vegetal (de preferência feita em casa)
Pão integral ou de mistura


Lista de alimentos para o jantar

Sopa, regada com um fio de azeite, ou óleo de linhaça, e uma colher de chá de levedura de cerveja em pó.
ou
2 a 3 peças de fruta da mesma variedade e de preferência da época


Para o almoço – não será descrita uma ementa, mas sim regras a adoptar durante a refeição. Utilize as informações dadas anteriormente para executar um almoço saudável.

- Opte por reduzir bastante os produtos animais e aumentar os produtos vegetais. Em vez   de acompanhar um bife com um arroz e salada, acompanhe o arroz e salada com um bife. Para ajudar até nas finanças da sua casa, faça de um bife, dois bifes. Ao comer menos, gasta também menos.
- Não beba nada às refeições. Se precisar de beber, aguarde 30 minutos após ter terminado a refeição, e tome um pouco de chá de camomila, quente.
- Evite as sobremesas.
- Coma bem devagar, mastigando muito bem, e livre de ambientes de tensão emocional. A MTC afirma que as refeições devem demorar no mínimo 45 minutos.
- Não veja televisão durante o seu almoço.
- Procure sempre ter o mesmo horário para as refeições.
- Coma a quantidade necessária e não a que deseja. 
- Nunca ingira apenas saladas e sandes, ou comidas rápidas ao almoço.
- Quanto mais natural a sua alimentação, melhor.
- Cozinhe com métodos mais neutros, como cozidos, estufados, escalfados, etc.

Entre as refeições

Beba apenas água purificada e se a “fome” apertar mesmo muito muito, coma uma peça de fruta, ou beba mais água.


Lembre-se

NÃO VIVA PARA COMER, MAS SIM, COMA PARA VIVER.




                                                                                                                                   Filipe Gonçalves
                                                                                                             Director clínico da clínica Pela Minha Saúde
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Irei fazer todos os possiveis para seguir os vossos conselhos !! Adorei as dicas

    ResponderEliminar