= expr:content='data:blog.title' itemprop='name'/>

Aviso

O conteúdo presente neste blog, não pretende de forma alguma substituir o tratamento médico. É meramente de consulta e informação. Se lhe surgir algum sintoma que considere relevante, consulte imediatamente o médico.
Caso tenha alguma dúvida, contacte-nos. Responderemos com a maior brevidade possível.

Urina - porque algumas pessoas bebem urina?


Resultado de imagem para urina


URINA
Porque algumas pessoas bebem urina?





O corpo humano é um sistema complexo que conta com uma estrutura de excreção única para se livrar de resíduos e equilibrar os níveis de água do corpo. O sistema urinário, composto por órgãos, músculos e nervos, que funcionam em conjunto para criar, armazenar e excretar a urina, pode fornecer informações importantes sobre a sua saúde.
Nós temos dois rins, onde a urina é criada, e dois uréteres, que a transportam para a sua bexiga. Os uréteres entram na parte superior da bexiga, um de cada lado. Na parte inferior do órgão, está o músculo do esfíncter que leva até a uretra, a qual leva a urina para fora do seu corpo.
Após seu corpo metabolizar os alimentos, alguns resíduos são deixados de lado. O seu sistema urinário, juntamente com seus pulmões, pele e intestinos, trabalha para equilibrar os níveis desses compostos químicos e de água. Um adulto saudável elimina cerca de 1,5 L de urina por dia, dependendo da quantidade de alimentos ou fluidos que consumiu, quanta água perdeu através do suor e da respiração, e de qualquer medicamento que esteja usando.
A ureia é um dos resíduos produzidos durante a metabolização de alimentos que contêm proteínas. Apesar da função da urina ser a excreção de resíduos metabólicos, algumas pessoas acreditam que ela possui propriedades medicinais.

A antiga prática da urinoterapia

A prática de beber urina ou aplicá-la na pele é usada mundialmente há milênios. Conhecida por Shivambu, é uma prática hindu de mais de 5.000 anos de idade, e acredita-se que ela possui propriedades rejuvenescedoras. O ato medicinal de beber urina foi praticado no Egito, na China, na Tailândia e durante o império Asteca.
Plínio, o Velho, usou a urina para o tratamento tópico de feridas, queimaduras e picadas de escorpião. Em um artigo de 2010, “A fonte dourada – Seria a urina o remédio milagroso que ninguém contou?”, Jutta M. Loeffler, uma pesquisadora da Universidade de Londres, escreveu:
"As mais de 100.000 pesquisas sobre "urinoterapia" no Google... são um indicador de que beber as ‘águas da tua própria cisterna’ ainda é, ou voltou a ser, uma prática popular hoje em dia... Parece que não existe nada que a urina não seja capaz de curar. Atualmente, seus defensores utilizam a pseudociência para explicar, na maioria das vezes de forma exagerada, os benefícios dos vários componentes da urina...
Dito isso, o caso descrito no artigo de Ogunshe, Fawole e Ajayi nesta revista é bem diferente. De acordo com ele, o uso da urina de seres humanos ou de vacas não vem de uma busca esotérica pela juventude eterna ou de problemas pessoais de alguém contra o sistema, e sim da necessidade de uma parte do mundo que sofre economicamente, onde há a falta da medicina moderna ou do dinheiro para pagar por ela.”
Loeffler continua a comentar sobre a pesquisa de Ogunshe et. Al., e como a urinoterapia pode ter ganhado popularidade em algumas regiões da África “devido ao aumento da pobreza”.
Em particular, o artigo de Ogunshe avaliou a segurança da administração de urina para crianças que sofrem de convulsões febris. Mas parece que essa é uma má ideia, pois a maioria dos testes em urinas revelaram a presença de bactérias resistentes à antibióticos.
"Na falta de ensaios clínicos adequados, é difícil provar que a urinoterapia tradicional contribui para a mortalidade infantil na Nigéria, mas devido aos resultados deste estudo, o tratamento de crianças doentes ou vulneráveis à doenças com urina deve ser fortemente desencorajado”, escreveu Loeffler.

A prática do Shivambu nos dias atuais

Apesar disso, os membros do Grupo de Encontro de Urinoterapia de Boulder, Colorado, acreditam que o consumo de urina ou o seu uso tópico é beneficial à saúde. Os membros se encontram mensalmente na biblioteca pública e os novatos são introduzidos à prática diária da urinoterapia chamada Shivambu.
Alguns membros, durante entrevistas, disseram beber suas urinas ou aplicá-las de forma tópica por anos e afirmaram que ela cura a eczema. Outros descreveram como praticam a urinoterapia, mas não falaram sobre seus benefícios. O Dr. Andrew Thornber, médico chefe da empresa Now Healthcare Group, disse à BBC Three em uma entrevista:
"A justificativa da urina é eliminar o excesso de fluidos, sais e minerais filtrados do sangue pelos rins. A urina de uma pessoa saudável é composta por cerca de 95% de água, mas os outros 5% representam resíduos que o corpo quer eliminar, como o potássio e o nitrogênio, os quais podem causar problemas, caso seu corpo os tenha em grandes quantidades.”

A urina é realmente estéril em condições normais?

Segundo as informações apresentadas por Evann E. Hilt, um pesquisador do departamento de microbiologia e imunologia da Universidade de Loyola, na conferência da Sociedade Americana de Microbiologia em 2014, normalmente as bactérias estão sim presentes, em pequenas quantidades, na urina de pessoas saudáveis.
Isso contradiz as afirmações de que a urina é estéril. Evann diz que essa crença foi originada nos anos 50, quando o epidemiologista Dr. Edward Kass desenvolveu um método para rastrear infecções do trato urinário antes das cirurgias.
Edward descobriu que um exame de urina utilizando um jato do meio (ignorando o primeiro e o último jato), usando um ponto de corte para o número de bactérias encontradas na amostra de 100.000 colônias por milímetro de urina, poderia determinar se o indivíduo possui alguma infecção do trato urinário.
O exame era considerado negativo quando as bactérias não atingiam esse ponto de corte. Evann acredita que foi a partir desse evento que a crença de que a urina de uma pessoa saudável é estéril começou, pois os pacientes eram informados que suas urinas não continham infecções e crescimento de bactérias.
O método de coleta de um jato limpo, do meio da urina, foi desenvolvido para reduzir a quantidade de contaminações bacterianas causadas quando as bactérias passam pela uretra e saem do corpo. Evann utilizou um método mais sensível para detectar níveis mais baixos de bactérias e avaliou as bactérias encontradas nas bexigas de 84 mulheres, coletadas por meio do cateterismo.
Metade dessas mulheres tinham síndrome da bexiga hiperativa (BH), o que fazia com que elas urinassem com frequência. Os pesquisadores descobriram que 71,4% das amostras continham e as mulheres com a síndrome tinham uma diversidade de bactérias maior que o grupo de controle.
De acordo com o resumo da apresentação, “um total de 217 isolados bacterianos de 77 espécies diferentes foram isolados dos pacientes com BH, enquanto 66 isolados bacterianos de 33 espécies diferentes foram isolados dos pacientes do grupo de controle”.
Os pesquisadores esperam que essas descobertas ajudem no tratamento das mulheres que sofrem de bexiga hiperativa (15%), já que muitas delas não encontram alívio para os sintomas, pois os tratamentos consideram a doença uma desordem muscular.

A indústria cosmética utiliza a ureia para tratamentos tópicos

A pele é uma barreira que protege o seu corpo dos elementos. Ela ajuda a regular a sua e é importante para equilibrar os seus níveis de hidratação. As alterações no funcionamento da pele estão associadas à doenças de pele, como a dermatite atópica, a psoríase e a eczema.
A ureia, um componente da urina, é usada em hidratantes para a pele, importantes na preservação da sua hidratação e integridade. Em alguns casos, a ureia também é adicionada em cosméticos para tratar de problemas nas unhas, como unhas encravadas. Ela tem propriedades queratolíticas e ajuda a remover os tecidos mortos e estimula a cicatrização de ferimentos.
Ela aumenta a umidade da pele, por meio do amolecimento da queratina que mantém as células da camada mais externa da pele unidas, funcionando como um esfoliante. Cremes de ureia podem ser prescritos ou comprados sem receita. Quando a ureia é adicionada a um produto, ela altera o seu equilíbrio ácido-base e retarda a perda sua perda de umidade.
De acordo com o Banco de Dados de Cosméticos para a Pele do Grupo de Trabalhos Ambientais (EWG), a ureia recebeu uma pontuação de “3”, o que a coloca no nível mais baixo dos cosméticos moderadamente perigosos. A EWG adverte que o uso da ureia é proibido nos cosméticos canadenses.
Os efeitos colaterais dos cremes à base de ureia incluem queimaduras, coceiras, vermelhidão ou irritação na área sobre a qual o creme foi aplicado. Caso você tenha algum desses sintomas ou eles se agravem, com empolamentos ou descamações, você deve procurar um médico o mais rápido possível.

A sua urina pode conter mais do que você espera

Estima-se que 70% de todos os medicamentos farmacêuticos que você consome são excretados com a urina. Outras toxinas ambientais como o tabaco, fumaça, poluição e alguns componentes dos alimentos, também são metabolizadas e excretadas pelos seus rins. Por isso, é possível descobrir se você foi exposto às essas toxinas fazendo um exame de urina.
Uma área emergente da saúde ambiental é o estudo dos adultos do DNA, ou o estudo de um segmento do DNA sujeito a um produto químico carcinógeno. Umas das formas de avaliação é através de amostras de urina, que fornecem informações que ajudam a entender melhor os estressores ambientais do seu corpo. Em outras palavras, beber urina expõe o indivíduo, pela segunda vez, aos segmentos do DNA ligados a produtos químicos carcinógenos que o seu corpo havia eliminado.
Um estudo analisou por sete anos a composição química da urina humana e encontrou pelo menos 3.079 compostos, dos quais, segundo a página Live Science, 72 eram formados por bactérias e 2.282 eram metabólitos oriundos da alimentação, medicamentos, cosméticos ou exposições ambientais.

Mantenha-se bem hidratado para cuidar do seu sistema urinário

Além de consumir as excreções que seu corpo quer eliminar, beber urina também pode levar à desidratação, E até mesmo pequenos níveis de desidratação podem causar dores de cabeça, letargia e constipação. O seu corpo tem um sistema de controle sofisticado que depende do consumo de fluidos e alimentos para repor a água perdida pela respiração, suor, urina e fezes.
Beber água pura todos os dias é muito importante para a saúde, mas muitas pessoas cometem o erro de trocar a água por outras bebidas como as bebidas adoçadas, sucos, refrigerantes e bebidas desportivas.
Em um estudo de Harvard, os pesquisadores descobriram que mais da metade das crianças dos EUA sofrem de desidratação crônica, o que pode comprometer suas saúdes e seus desempenhos acadêmicos. Como 73% do cérebro é composto por água, quando você está desidratado, o seu cérebro encolhe, podendo alterar o seu funcionamento e influenciar o seu humor.
A necessidade do seu corpo por fluidos pode variar durante o dia, ou de um dia para o outro, então uma dica importante para se manter bem hidratado é prestar atenção na cor da sua urina. Uma urina concentrada, de cor escura, é um sinal de que seus rins estão tentando reter os fluidos para manter o seu corpo funcionando, ou seja, é um bom sinal de que você precisa beber mais água.
O ideal é uma urina levemente amarelada, cor de palha. É muito importante prestar atenção no seu corpo, no seu nível de sede e na cor da sua urina. Caso você esteja se sentindo cansado ou irritado, pode ser um sinal de que você precisa beber mais água. Em média, um número saudável de idas ao banheiro em um dia é sete ou oito vezes.


Extraído do site Dr. Mercola
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Enxofre faz bem ao corpo

Resultado de imagem para Enxofre


ENXOFRE
Faz bem ao corpo




O enxofre é um tipo de mineral esquecido, do qual não se ouve muito falar, mas ele é muito importante para o funcionamento do corpo. Os cientistas agora estão dizendo que você provavelmente não está obtendo enxofre suficiente da sua alimentação, apesar desse mineral ser encontrado em tantos alimentos.
Entre as melhores fontes estão as proteínas de ovos orgânicos provenientes de aves criadas livre, carnes de animais terminados a pasto, nozes, salmão do Alaska e também vegetais verde-escuro como couve, espinafre e brócolis, além de cebola e alho.
Por que o enxofre é importante? Como Stephanie Seneff, pesquisadora científica do MIT escreveu ao Weston A. Price Foundation:
"O enxofre é conhecido como um mineral curativo, e a deficiência de enxofre costuma levar a dores e inflamações associados a vários transtornos musculares e esqueléticos.
O enxofre desempenha um papel importante em muitos processos biológicos, incluindo o metabolismo. Ele está presente na insulina, o hormônio que promove o uso do açúcar derivado dos carboidratos para abastecimento dos músculos e das células adiposas."

Enxofre: O terceiro mineral mais abundante no seu corpo

Seis elementos químicos — oxigênio, carbono, hidrogênio, nitrogênio, cálcio e fósforo — compõem 99% da massa corporal. Os outros cinco — potássio, enxofre, sódio, cloro e magnésio — completam o 1% restante em graduações variadas.
Mas embora o enxofre pareça relativamente insignificante nessa lista, a verdade é que ele é o terceiro mineral mais abundante no corpo. Uma de suas principais funções é o de antioxidante.
O enxofre está presente em todos os tecidos vivos. Ele é componente de dois importantes aminoácidos: a metionina (encontrada principalmente em claras de ovos e peixes), é um aminoácido essencial, isto é, que seu corpo não sintetiza e precisa ser obtido através de fontes externas, e a cisteína, que precisa do enxofre constantemente e é sintetizada pelo corpo.
Sua pele, músculos e ossos contêm cerca de metade do enxofre do seu corpo. Suas unhas e cabelos, feitos de uma proteína rígida chamada queratina, contêm uma boa parte de enxofre, enquanto suas cartilagens e tecidos conjuntivos têm uma forma mais flexível, que muda e se quebra com o tempo, levando aos sinais reconhecidos do envelhecimento.
Alguns desses indicadores incluem rugas, dores musculares e nas articulações, que podem ser uma indicação da deficiência de enxofre.

O que o enxofre tem de tão especial?

O enxofre desempenha um papel importante na desintoxicação, pois faz parte de um dos antioxidantes mais importantes que o seu corpo produz: glutationa. Sem o enxofre, a glutationa é considerada ineficaz. Isso é muito importante, pois a glutationa é a forma que seu corpo tem de se desintoxicar.
Um estudo explicou essa importância num relatório sobre como o enxofre e alguns de seus compostos podem proteger contra a exposição à luz ultravioleta (UV), a raios-X e radiação, podendo ser usado para fins de desintoxicação.
Os cientistas concordam que a deficiência de enxofre pode ser causa da doença de Alzheimer, que cresce exponencialmente a cada ano. Um artigo discutiu a relação entre a demência e outros problemas prevalentes com a falta de enxofre no corpo:
"Curiosamente, o enxofre é um poderoso antagonista do alumínio, o que deve satisfazer àqueles que defendem que o alumínio é um fator importante para a doença de Alzheimer.
Da mesma forma, a maioria dos pacientes mais jovens e mais velhos que sofriam de 'confusão mental', problemas de concentração e pouca memória, apresentavam níveis de enxofre abaixo do normal, incluindo muitas crianças e adultos diagnosticados com ADD/TDAH..."
Outro artigo destacava os motivos pelos quais a deficiência de enxofre e sulfato no corpo pode explicar a prevalência de doenças cardíacas. A cientista pesquisadora Stephanie Sneff, Ph.D., do MIT, chamou o sulfato do colesterol de "molécula misteriosa" que flutua no sangue e causa instabilidade capaz de provocar doenças cardíacas.
Pesquisas sustentam os tratamento tradicionais com remédios tópicos que utilizam enxofre e MSM como tratamento eficaz contra a acne e outras condições de pele, como espinhas, rosácea, sarna, dermatite seborreica e parasitas.

A ciência por trás dos alimentos curativos e que contêm enxofre

Vários compostos benéficos que contêm enxofre se expressam por meio de efeitos curativos no corpo. Os glucosinolatos são um deles, encontrados principalmente em vegetais crucíferos como repolho, brócolis e vegetais folhosos como couve, couve-galega e rúcula.
Quando você corta ou morde vegetais crucíferos, é possível identificar um odor pungente, causado pela liberação dos glucosinolatos repletos de enxofre.
A George Mateljan Foundation, uma organização sem fins lucrativos que estuda informações científicas sobre alimentos saudáveis e nutrientes específicos, explicou como esse fenômeno tem duplos benefícios, tanto ao paladar quanto ao efeito curativo:
"O processo de corte pode, na verdade, aumentar certos benefícios, já que algumas das moléculas recém-formadas (e transformadas) que contêm enxofre demonstraram ter propriedades preventivas do câncer.
Isso inclui os glucosinolatos que contêm enxofre e que são formados quando uma enzima chamada mirosinase é ativada."
Curiosamente, os cientistas sugerem que, se você planeja cozinhar vegetais crucíferos, é melhor cortá-los primeiro e deixá-los descansar por alguns minutos a fim de liberar o máximo de benefícios. Cozinhá-los logo após o corte impede que as enzimas de mirosinase se formem, perdendo seus benefícios.

A importância do MSM e DMSO

O MSM (metilsulfonilmetano) é um composto do enxofre que ocorre naturalmente no corpo. Ele é conhecido por auxiliar as articulações, mas também é útil em outras áreas do corpo. A composição do MSM é de 34% de enxofre por peso, mas também afeta o metabolismo do enxofre.
Talvez a melhor forma de identificar que você não tem MSM suficiente no organismo seja através de sintomas que incluem fadiga, prevalência de estresse elevado, tanto física quanto psicologicamente, depressão e até doenças degenerativas, como mal de Parkinson, arteriosclerose, osteoartrite e câncer.
O MSM metaboliza o dimetilsulfóxido, um controverso composto anti-inflamatório e analgésico conhecido como DMSO, que, infelizmente, é aprovado para uso em medicina veterinária, mas não em humanos. Um artigo explica que o DMSO:
"...tem um potencial promissor de gerir uma ampla gama de problemas de saúde". O DMSO é um agente farmacológico aprovado em mais de 125 países. A segurança relacionada ao seu uso, bem como seus efeitos terapêuticos, são comprovados por quase 50 anos de pesquisas e mais de 10.000 artigos científicos".
Um artigo discute a pesquisa do Dr. Stanley Jacob sobre o DMSO e seus benefícios em várias aplicações, incluindo o tratamento para traumas na cabeça. De acordo com Jacob, sua capacidade como diurético e para eliminar radicais livre é uma parte importante para melhorar o fornecimento de sangue ao cérebro, o que reduz o inchaço:
"Isso melhora a oxigenação do sangue para os tecidos cerebrais. As células cerebrais danificadas nem sempre estão mortas. Quando elas recebem mais sangue e oxigênio, e os radicais livres são combatidos, elas podem se recuperar, diminuindo muito rapidamente o inchaço cerebral".

A deficiência de enxofre e a obesidade

Não é segredo que a obesidade tomou uma porcentagem alarmante da população norte-americana, mas também é uma epidemia mundial. Um motivo para isso é que muitos países têm adotado uma dieta ocidental. Mas o que isso tem a ver com uma deficiência de enxofre? Novamente, como Seneff escreveu para a Weston A. Prince Foundation:
"Uma dieta rica em grãos como pão e cereais provavelmente será pobre em enxofre. Alimentos integrais como milho e soja são desmembrados em componentes com nomes químicos e remontados em alimentos altamente processados. O enxofre se perde nesse processo, assim como a consciência de sua importância".
O problema com esse tipo de alimentação é que ela é rica em grãos como pão e cereais, mas muito pobre em enxofre. O desenvolvimento dos alimentos de preparo rápido e conveniente faz parte de uma brilhante estratégia de marketing.
Porém, na pressa de simplesmente conseguir o "combustível para continuar funcionando", nos esquecemos de coisas importantes, como a nutrição adequada. Além disso, fabricantes que "enriquecem" alimentos, como cereais, com uma dúzia de vitaminas e minerais levam os consumidores a acreditar que estão oferecendo aos filhos um café da manhã "completo", que é conveniente além de bom para a saúde!

A deficiência de minerais pode causar sintomas "misteriosos"

Stephanie Seneff tem algumas teorias sobre o assunto:
"Minha extensa pesquisa bibliográfica me levou a duas moléculas misteriosas encontradas na corrente sanguínea e em muitas outras partes do corpo: o sulfato de vitamina D3 e o sulfato de colesterol. Após a exposição ao sol, a pele sintetiza o sulfato de vitamina D3, uma forma de vitamina D que, ao contrário da vitamina D3 não sulfatada, é solúvel em água.
Como consequência, ele pode viajar livremente na corrente sanguínea em vez de ser encapsulado dentro do LDL (o chamado colesterol "ruim") para o transporte. A forma da vitamina D presente no leite humano e no leite de vaca é o sulfato de vitamina D3 (a pasteurização o destrói no leite de vaca)."
Alguns outros minerais que você pode não estar consumindo o suficiente são magnésio e sulfato (problema que uma imersão em um banho de sais Epsom pode ajudar a resolver). A falta desses minerais pode aumentar a pressão, causar problemas cardíacos e sintomas como cãibras, contrações ou espasmos musculares.
Consumir mais vegetais, nozes e frutos do mar é uma boa forma de evitar a deficiência desses minerais, que podem evitar o desenvolvimento de várias doenças e problemas de saúde.

Como aumentar naturalmente sua ingestão de enxofre

Uma das formas mais básicas de ingerir enxofre é tomando água. Na verdade, 10% da nossa ingestão diária de enxofre é feita dessa forma. A água da torneira pode conter mais enxofre do que a filtrada, e estudos indicam que a incidência de doenças cardíacas é maior em pessoas que tomam água filtrada (isso nos Estados Unidos, onde a água da torneira é própria para a ingestão humana).
Uma outra coisa que você pode fazer para aumentar sua ingestão é consumir alimentos ricos em enxofre. Alimentos como o alho (ao contrário do suplemento de alho), é um exemplo; uma boa quantidade seria três dentes por dia — crus e esmagados ou picados antes de comer.
É claro que algumas pessoas não gostam de alho. Se este for o seu caso, gazpacho e pesto são duas formas de comer alho sem perceber, já que os outros ingredientes encobrem o odor e o gosto dele. Outra forma deliciosa de fazer isso é polvilhar alho com azeite de oliva para cozinhar batatas doces, cenouras ou cebolas.

Vegetais do tipo allium contêm compostos de enxofre capazes de prevenir doenças

Estudos clínicos identificaram compostos orgânicos contendo enxofre (OSCs) de vegetais allium (como alho e cebola) como potencialmente benéficos na prevenção de muitas doenças, incluindo "infecções, afecções cardiovasculares e metabólicas, cânceres e indisposições relacionadas".
Um estudo observou que o alho tem sido utilizado para tratar infecções há milhares de anos em vários locais do mundo, como Egito, China, Índia e Grécia. Seus fatores antibacterianos, antibióticos, antissépticos, antifúngicos e antivirais se devem, ao menos em partes, ao enxofre. Como foi dito no Saudi Pharmaceutical Journal:
"Historicamente, o alho tem sido usado para tratar dores de ouvido, lepra, surdez, diarreia grave, constipação e infecções parasitárias, e para diminuir a febre, combater infecções e aliviar dores de estômago.
A evidência mais convincente do efeito positivo do alho é que o enxofre contido nele pode diminuir o risco de câncer e alterar o comportamento biológico de tumores. Experimentalmente, o alho e o enxofre são reconhecidos por suprimir a incidência de tumores nas mamas, cólon, pele, útero, esôfago e pulmão".


Extraído do site do Dr. Mercola 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Cicatrizes e postura

Resultado de imagem para cicatriz






Efeito das cicatrizes sobre o sistema postural









Há muitos anos que as cicatrizes e os seus efeitos no nosso corpo são estudados, havendo já uma grande evidência cientifica que comprova alguns dos efeitos nocivos que uma cicatriz pode representar para o equilíbrio do nosso sistema músculo-esquelético,cardíaco e endócrino.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

A abordagem da posturologia

ABAAABjhoAC-0



A abordagem da posturologia






A avaliação com base na posturologia é rápida e completamente indolor. Passa por registar as assimetrias nos três planos (sagital, frontal e transversal) com especial atenção às inclinações e rotações que possam existir ao nível da cintura escapular e de cintura pélvica.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...